Pinhal Novo | A transição campo-cidade

Já foi a maior vinha do país. Hoje, é um centro urbano em grande expansão. A 20 minutos de Lisboa, a freguesia de Pinhal Novo justifica um olhar mais atento e reserva-lhe algumas surpresas. Sugerimos-lhe alguns locais para visitar.
Comece por visitar o centro da vila, percorrendo as ruas da baixa e o Largo José Maria dos Santos. Desde finais do século XIX que este largo, cedido à população por José Maria dos Santos, foi usado como recinto de mercado e feira de gado, sendo hoje o jardim central da vila que alberga a capela, o coreto e a estação ferroviária.
Na estação de caminhos de ferro entretenha-se a observar os interessantes painéis de azulejos de 1938 e a reconhecer as paisagens ali representadas. Construção da década de 30 do século XX, a estação dos caminhos-de-ferro tem ainda uma torre de controle, considerada um notável edifício funcionalista da autoria do arquiteto Cotinelli Telmo.
Ainda no Largo desperte o olhar para os pormenores decorativos do coreto. Edificado em mármore, pedra lioz e ferro, este é um bom exemplo da decoração típica da época (1927).
De seguida passe pela Biblioteca Municipal, consulte livros, filmes, música e fique a conhecer um pouco mais sobre a literatura portuguesa na exposição bibliográfica que, todos os meses, destaca um autor diferente.

Se a sua visita coincidir com o segundo domingo do mês, aproveite para fazer compras no mercado, um dos mais movimentados no distrito. No início de junho, aproveite, também, para desfrutar das Festas Populares de Pinhal Novo, oportunidade única para conhecer a tradicional «cultura caramela» e desfrutar da gastronomia típica. Espetáculos, desfiles, provas desportivas, exposições e muita animação são mais algumas das propostas.

Aproveite para visitar o Museu da Música Mecânica, uma coleção particular representativa da música mecânica sobretudo com peças entre os finais do séc. XIX até à década de 30 do séc. XX.
O Museu integra diferentes valências funcionais – área expositiva, sala documental (que reúne uma importante bibliografia temática, documentação de época e milhares de fonogramas), auditório, sala multiusos, loja, cafetaria – que numa perspetiva integrada promoverá exposições, espetáculos, workshops, conferências, reuniões de trabalho, festas de aniversário e outros eventos de cariz cultural, educativo e/ou de lazer.

Siga em direção a Rio Frio, desfrutando em pleno da sua manhã. Mantenha o olhar na paisagem e aperceba-se da transição nítida entre cidade e campo. Numa das maiores herdades do país poderá admirar um magnífico exemplar da arquitetura do início do século: o palácio de Rio Frio, projeto de José Ribeiro Júnior, decorado com azulejos de Jorge Colaço que abordam a temática da agricultura e do vinho. Adaptado a turismo de habitação, o palácio disponibiliza também um espaço para a realização de festas de casamento e outros eventos.
Para além do palácio a herdade conserva um interessante conjunto de edifícios, que no passado serviram de apoio às atividades agrícolas e de residência dos trabalhadores, assim como uma escola, picadeiro, cavalariças e uma capela dos anos 50.

Pólo Equestre de Rio Frio, para além de um centro de produção agrícola, pretende afirmar-se como um importante espaço de lazer vocacionado para o turismo equestre, enoturismo, turismo de natureza, incluindo um futuro hotel rural (previsto para 2017). 


Reserva Ecológica Nacional


Este continua a ser um dos segredos mais bem guardados do nosso concelho. A 7 km do centro do Pinhal Novo encontra-se uma das mais importantes áreas naturais do País, que encerra um verdadeiro tesouro em flora e fauna, que se revela um excelente percurso para efetuar a pé ou em BTT.

A Reserva Ecológica Nacional (REN) abrange cerca de 9% da área do concelho de Palmela, incluindo as margens do estuário do Sado, as albufeiras e grande parte das linhas de água. A maior área situa-se na zona da Brejoeira/Lagoa da Palha e abrange cerca de 10 km2.

A reserva abrange o troço final da Vala da Salgueirinha, que nasce a 200 m de altitude na Serra do Louro e a cerca de 14 km do Vale da Brejoeira, integrando charnecas húmidas e prados mediterrânicos. Aqui, podem observar-se 25 espécies de avifauna ameaçadas na Europa e estritamente protegidas.

Flora
Neste terreno pode encontrar-se o pinheiro bravo e o sobreiro. Ao longo das linhas de água podemos observar salgueiros, choupos, freixos e vimeiros. Nas margens da albufeira existem caniçais, junco, maios, campainhas amarelas e lírio amarelo, entre outros.

Fauna
Morcegos, toupeiras, lebres, raposas, cobras de água, e muitos outros, poderão ser observados no local.
Entre a extensa lista de aves aquáticas destacamos o perna longa, o borrelho pequeno de coleira, o maçarico de bico direito, a galinha de água, a águia de asa redonda e a águia calçada, o pato real, a garça, o melro, o verdilhão, o bico de lacre, a carriça, o pintassilgo e a toutinegra de cabeça preta.